Entre em contato

© 2017 - Feito com amor por Ana Claudia Mazzini e Drigo. 

Inscreva-se e receba textos fresquinhos direto na sua caixa de e-mail!

Em busca do meu talento: por onde começo?

 

 

Quando você fez o vestibular o quão certo você estava sobre o curso que faria? O que você conhecia sobre si mesmo quando optou por esta formação?

 

Muito cedo na vida, nós somos demandados a escolher “o que queremos ser quando crescer”. Será que aos 16/17 anos nós já experimentamos e nos conhecemos o suficiente para poder escolher com convicção?

 

Alguns tem a oportunidade de se permitir mais tempo para pensar, avaliar, explorar possibilidades. Outros, por mais que tenham esta chance, se preocupam com o tempo “perdido”. A maioria de nós, explora as possibilidades durante os anos que precedem o vestibular, muitas vezes sem saber exatamente como fazer isso. Por fim, escolhemos o que nos parece, naquele momento, mais apropriado e torcemos para que tudo dê certo!

 

Por consequência, muitos de nós acabam escolhendo uma carreira que não necessariamente tem a ver com nossas paixões e talentos, o que a longo prazo não se sustenta. Eu estou chamando de talento aquilo que fazemos com naturalidade e prazer, que faz parte da nossa identidade. Ter a clareza a respeito deste talento requer disponibilidade e investimento emocional e se dá através de muito autoconhecimento.

 

Ken Robinson, autor do livro “Finding your Element”, fala sobre o conceito de “elemento“ que, em suas palavras, nada mais é do que o ponto onde nossas aptidões naturais encontram a nossa paixão. Entender o conceito e fácil, descobrí-lo, já é outra história!

 

Segundo Ken, buscar o seu elemento não significa ignorar a necessidade de outras pessoas que possam depender de você. Também não significa deixar para trás tudo o que você já construiu. É simplesmente olhar para si próprio e se perguntar se existe algo mais que você possa fazer para concretizar seus talentos.

 

Mas porque algumas pessoas conseguem encontrar seu elemento com maior facilidade e eu não? Isso acontece porque nossas reais aptidões podem estar localizadas nas mais variadas e inesperadas áreas; logo, algumas pessoas são expostas a atividades que permitem que elas identifiquem seu elemento mais facilmente. Outras pessoas, sentem-se deslocadas por anos na escola, ou até mesmo na faculdade, afinal, na escola nós somos expostos apenas a um número um tanto limitado de papéis.

 

Por exemplo, será que uma bailarina, que não tinha aula de ballet ou dança na escola, sabia que ali estava o seu elemento? Ken deixa claro que, parte do caminho para encontrar seu elemento, é estar aberto a possibilidade de que ele esteja em uma área que você jamais explorou. Pensando nisso, te convido a refletir um pouco:

 

Você sabe me dizer qual é o seu elemento?

Se sim, que fantástico! O que você tem feito na sua vida com base nesta informação valiosíssima? De que forma você potencializa esta característica na sua vida?

 

Se você não sabe qual é o seu elemento, pense com calma e responda as seguintes perguntas:

 

Você sente que existe alguma coisa na qual você poderia ser bom caso tivesse a chance se dedicar a isso de verdade?

 

Você já evitou fazer algo por achar que não faria tão bem?

 

Você já experimentou aprender de outra forma algo que você tentou fazer e não se considera bom?

 

O mais importante neste processo é pensar que todos nós temos um DNA diferente, uma história e personalidades diferentes. Seguir os planos de outra pessoa ou se comparar a ela, não vão contribuir de forma produtiva para o seu processo de desenvolvimento. Portanto, busque dentro de você esta resposta e não apenas nas pessoas que você admira. 

 

No processo de coaching, além de perguntas que estimulam a reflexão do cliente, usamos uma série de ferramentas que permitem que ele(a) se conheça melhor e se sinta autoconfiante para experimentar e planejar mudanças significativas em sua vida. Além disso também faz parte deste processo, avaliar como este elemento se traduz de forma prática na vida do coachee, uma vez que não basta descobrí-lo, é importante também criar meios para que através dele o coachee possa viver de forma plena.

 

Se você deseja saber mais sobre coaching e sobre o meu trabalho, me escreva! Podemos marcar uma primeira conversa sem custos ou compromisso.

 

* Caso você queira conhecer um pouco melhor Ken Robinson, o autor do livro que menciono neste post. clica aqui! Neste vídeo ele fala de forma leve e divertida sobre como o sistema educacional atual não incentiva a criatividade e, consequentemente, limita o desenvolvimento e realizacão pessoal de tantas pessoas no mundo todo. 

 

* Gostou da frase da foto? Encontre esta e muitas outras no perfil @agogowriters do instagram. 

 

Referências:

 

Robinson, Ken. Finding your Element. 2014.

 

 

 

 

 

Please reload

Please reload